Presidência tcheca do Conselho da UE lida com a guerra, crise energética e migratória

Publicados: 09/12/2022 Países relacionados:  Brasil Brasil

Em dezembro, a Presidência da República Tcheca no Conselho da UE termina e a Suécia assume a liderança, o Ministro das Relações Exteriores Lipavský avalia a muito positivamente.

Durante a presidência da Tchéquia, questões realmente cruciais foram abordadas devido à guerra na Ucrânia. Houve uma crise energética, uma crise de refugiados e de facto um colapso do sistema de segurança, tal como foi construído através da Conferência de Helsínquia e da OSCE, quando na Europa ocorreu a maior guerra desde o fim da Segunda Guerra Mundial. A República Tcheca reagiu, portanto, à situação atual e convocou, por exemplo, conselhos extraordinários de energia, onde lentamente mas seguramente uma solução unificada está sendo alcançada.

Foi negociada a proibição da entrada de Russos com vistos Schengen de curto prazo na União Europeia. Isso foi especialmente apreciado por países como Lituânia, Letônia e Finlândia e outros países diretamente adjacentes à Rússia. Afinal, quase 250 cidadãos russos entraram no território tcheco com esses vistos todos os dias, então isso tem um impacto direto na segurança da República Tcheca.

Alinhar a política de vistos da Sérvia com a da UE também foi fundamental, para que as pessoas da África e do Oriente Médio não pudessem entrar facilmente na Europa e depois migrar ilegalmente para a Europa. Este ano, o maior número de pessoas veio para a Europa através de rotas de migração no Mediterrâneo e nos Bálcãs desde a crise migratória de 2016. A Sérvia introduzirá, entre outras coisas, um regime de vistos com o Irã e a Índia. Agora é necessário garantir que a Sérvia cumpra suas obrigações.


A ajuda humanitária para a Ucrânia também foi coordenada. Tchéquia esteve à frente da preparação da missão de treinamento para o exército ucraniano, que está ocorrendo na Polônia, Alemanha e a República Tcheca também estará envolvida. Já há um mandato aprovado para isso no Parlamento. No próximo ano, a política externa quer se concentrar mais na região da Ásia, África e América do Sul.

Fonte: irozhlas.cz